quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

[Música / Vídeo] Longe


Onde é que eu fui parar?
Aonde é esse aqui?
Não dá mais pra voltar
Por que eu fiquei tão longe?
Longe...

Onde é esse lugar?
Aonde está você?
Não pega celular
E a terra está tão longe
Longe...

Não passa um carro sequer
Todo comércio fechou
Não tem satélite algum transmitindo
notícias de onde eu estou

Nenhum e-mail chegou
Nem o correio virá
E eu entre quatro paredes sem porta
ou janela pro tempo passar

Dizem que a vida é assim
Cinco sentidos em mim
Dentro de um corpo fechado
no vácuo de um quarto no espaço sem fim

Aonde está você?
Por que é que você foi?
Não quero te esquecer
Mas já fiquei tão longe
Longe...

Não dá mais pra voltar
E eu nem me despedi
Onde é que eu vim parar?
Por que eu fiquei tão longe?
Longe, longe, longe, longe
Longe, longe, longe

Seis, cinco, quatro, três, dois, um.

(Arnaldo Antunes)

sábado, 21 de janeiro de 2012

[Vídeo / Tradução] Someone Like You

Música de Adele, interpretada por Silvio Prandel:




Tradução ("Alguém como você")


Eu ouvi dizer que você está estabilizado
Que você encontrou uma garota e está casado agora
Eu ouvi dizer que os seus sonhos se realizaram
Acho que ela lhe deu coisas que eu não dei


Velho amigo, por que você está tão tímido?
Não é do seu feitio se refrear ou se esconder da luz
Eu odeio aparecer do nada sem ser convidada
Mas eu não pude ficar longe, não consegui evitar


Eu tinha esperança de que você veria meu rosto
E que você se lembraria
De que pra mim não acabou


Deixe para lá, eu vou achar alguém como você
Não desejo nada além do melhor para vocês dois
Não se esqueça de mim, eu imploro
Vou lembrar de você dizer:
"Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere"


Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere, é


Você saberia como o tempo voa
Ontem foi o momento de nossas vidas
Nós nascemos e fomos criados numa neblina de verão
Unidos pela surpresa dos nossos dias de glória


Eu odeio aparecer do nada sem ser convidada
Mas eu não pude ficar longe, não consegui evitar
Eu esperava que você veria meu rosto
E que você se lembraria
De que pra mim não acabou


Deixe para lá, eu vou achar alguém como você
Não desejo nada além do melhor para vocês dois
Não se esqueça de mim, eu imploro
Vou lembrar de você dizer:
"Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere"


Nada se compara, nenhuma preocupação ou cuidado
Arrependimentos e erros, são feitos de memórias
Quem poderia ter adivinhado o gosto amargo
Que isso teria?


Deixe para lá, eu vou achar alguém como você
Não desejo nada além do melhor para você
Não se esqueça de mim, eu imploro
Vou lembrar de você dizer:
"Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere"


Deixe para lá, eu vou achar alguém como você
Não desejo nada além do melhor para vocês dois
Não se esqueça de mim, eu imploro
Vou lembrar de você dizer:
"Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere"


Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere, é


(Adele)

[Vídeo] Projeto Coração - Silvio Prandel

domingo, 15 de janeiro de 2012

[Poema] Sonhador


Por sóis, por belos sóis alvissareiros, 
Nos troféus do teu Sonho irás cantando, 
As púrpuras romanas arrastando, 
Engrinaldado de imortais loureiros. 
       
Nobre guerreiro audaz entre os guerreiros, 
Das Idéias as lanças sopesando, 
Verás, a pouco e pouco, desfilando 
Todos os teus desejos condoreiros... 
    
Imaculado, sobre o lodo imundo, 
Há de subir, com as vivas castidades, 
Das tuas glórias o clarão profundo. 
      
Há de subir, além de eternidades, 
Diante do torvo crocitar do mundo, 
Para o branco Sacrário das Saudades! 


(Cruz e Sousa)

[Poema] "L-ou-cura"


palavras mordendo
as almas caídas
em becos vivendo
autor iludido
a um corpo físico
vai engrandecendo
temor que é tísico
aqui foi tecendo
entranhas ao vento
loucura tangendo
liberando dores
e do mal sofrendo
amargos sabores
língua adoecendo
lágrimas e sangue
e pêlos crescendo
da pele restante
insetos vivendo
paredes são tortas
vão alvorecendo
naturezas mortas
estão comprazendo
humores inatos
vão enlouquecendo
desejos e atos
ali parecendo
no branco escuro
estão convertendo
acima do muro
a vida tecendo
poeira ao vento
os dentes rangendo
talvez sofrimento 

(Luis Valério Prandel)

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

[Poema] Soneto atmosférico


Vai pairando sobre as densas águas
Uma atmosfera bem úmida e fria
Em meu semblante, refletindo mágoas
Em meus átomos matéria vazia


Da natureza clara do meu ser
Compartilhando tantas formas e cores
Perfazendo a loucura do prazer
Transpassando as angústias dos amores


O tempo que assume minha mente
Controlando os desejos e tardanças
Da atmosfera escura e adjacente


O ar do amor não é mais rarefeito
Do céu ocupa todas as lembranças
Nas águas é totalmente aceito 


(Luis Valério Prandel)

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

[Música/Vídeo] Fim do Dia




Demora tanto, demora tanto pra crescer
Pra depois de uma hora pra outra morrer
Tem que mamar, tem que comer e beber
Deixar vir e ir sofrimento e prazer


Não há o que lamentar
Quando chega o fim do dia


Um cara que anda tem que chegar em algum lugar
Um cara que trabalha trabalha trabalha deve se cansar
O cara estuda tanto e ainda tem tanto pra aprender
Passa o tempo e fica mais fácil esquecer


Não há o que lamentar
Quando chega o fim do dia


Não há o que lamentar
quando chega o fim do dia
Se despede da sua dor
Diz adeus à sua alegria


Não há o que lamentar
Quando chega o fim do dia


(Arnaldo Antunes)

[Poema] Dormes...


Dormes... Mas que sussurro a umedecida
Terra desperta?  Que rumor enleva
As estrelas, que no alto a Noite leva
Presas, luzindo, à túnica estendida?


São meus versos!  Palpita a minha vida
Neles, falenas que a saudade eleva
De meu seio, e que vão, rompendo a treva,
Encher teus sonhos, pomba adormecida!




Dormes, com os seios nus, no travesseiro
Solto o cabelo negro... e ei-los, correndo,
Doudejantes, sutis, teu corpo inteiro


Beijam-te a boca tépida e macia,
Sobem, descem, teu hálito sorvendo
Por que surge tão cedo a luz do dia?!


(Olavo Bilac)

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

[...] Noite


Ó noite onde as estrelas mentem luz, ó noite, única coisa do tamanho do universo, torna-me, corpo e alma, parte do teu corpo, que eu me perca em ser mera treva e me torne noite também, sem sonhos que sejam estrelas em mim, nem sol esperado que ilumine do futuro.

(Fernando Pessoa)

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

[Música / Vídeo] As Árvores

As árvores são fáceis de achar
Ficam plantadas no chão
Mamam do sol pelas folhas
E pela terra
Também bebem água
Cantam no vento
E recebem a chuva de galhos abertos
Há as que dão frutas
E as que dão frutos
As de copa larga
E as que habitam esquilos
As que chovem depois da chuva
As cabeludas, as mais jovens mudas
As árvores ficam paradas
Uma a uma enfileiradas
Na alameda
Crescem pra cima como as pessoas
Mas nunca se deitam
O céu aceitam
Crescem como as pessoas
Mas não são soltas nos passos
São maiores, mas
Ocupam menos espaço
Árvore da vida
Árvore querida
Perdão pelo coração
Que eu desenhei em você
Com o nome do meu amor.

(Arnaldo Antunes / Jorge Ben Jor)

domingo, 8 de janeiro de 2012

[Canção / Vídeo] Cântico das Criaturas


Altíssimo, omnipotente, bom Senhor,
Altissimu, onnipotente bon Signore,
a ti o louvor, a glória, a honra e toda a bênção.
Tue so' le laude, la gloria e l'honore et onne benedictione.
A ti só, Altíssimo, se hão-de prestar
Ad Te solo, Altissimo, se konfano,
e nenhum homem é digno de te nomear.
et nullu homo ène dignu te mentovare.
Louvado sejas, ó meu Senhor, com todas as tuas criaturas,
Laudato sie, mi' Signore cum tucte le Tue creature,
especialmente o meu senhor irmão Sol,
spetialmente messor lo frate Sole,
o qual faz o dia e por ele nos alumias.
lo qual è iorno, et allumeni noi per lui.
E ele é belo e radiante, com grande esplendor:
Et ellu è bellu e radiante cum grande splendore:
de ti, Altíssimo, nos dá ele a imagem.
de Te, Altissimo, porta significatione.
Louvado sejas, ó meu Senhor, pela irmã Lua e as Estrelas:
Laudato si', mi Signore, per sora Luna e le stelle:
no céu as acendeste, claras, e preciosas e belas.
in celu l'ài formate clarite et pretiose et belle.
Louvado sejas, ó meu Senhor, pelo irmão Vento
Laudato si', mi' Signore, per frate Vento
e pelo Ar, e Nuvens, e Sereno, e todo o tempo,
et per aere et nubilo et sereno et onne tempo,
por quem dás às tuas criaturas o sustento.
per lo quale, a le Tue creature dài sustentamento.
Louvado sejas, ó meu Senhor, pela irmã Água,
Laudato si', mi' Signore, per sor Aqua,
que é tão útil e humilde, e preciosa e casta.
la quale è multo utile et humile et pretiosa et casta.
Louvado sejas, ó meu Senhor, pelo irmão Fogo,
Laudato si', mi Signore, per frate Focu,
pelo qual alumias a noite:
per lo quale ennallumini la nocte:
e ele é belo, e jucundo, e robusto e forte.
ed ello è bello et iocundo et robustoso et forte.
Louvado sejas, ó meu Senhor, pela nossa irmã a mãe Terra,
Laudato si', mi' Signore, per sora nostra matre Terra,
que nos sustenta e governa, e produz variados frutos,
la quale ne sustenta et governa, et produce diversi fructi
com flores coloridas, e verduras.
con coloriti flori et herba.
Louvado sejas, ó meu Senhor, por aqueles que perdoam por teu amor
Laudato si', mi Signore, per quelli che perdonano per lo Tuo amore
e suportam enfermidades e tribulações.
et sostengono infirmitate et tribulatione.
Bem-aventurados aqueles que as suportam em paz,
Beati quelli ke 'l sosterranno in pace,
pois por ti, Altíssimo, serão coroados.
ka da Te, Altissimo, sirano incoronati.
Louvado sejas, ó meu Senhor, por nossa irmã a Morte corporal,
Laudato si' mi Signore, per sora nostra Morte corporale,
à qual nenhum homem vivente pode escapar:
da la quale nullu homo vivente po' skappare:
Ai daqueles que morrem em pecado mortal!
guai a quelli ke morrano ne le peccata mortali!
Bem-aventurados aqueles que cumpriram a tua santíssima vontade,
beati quelli ke trovarà ne le Tue sanctissime voluntati,
porque a segunda morte não lhes fará mal.
ka la morte secunda no 'l farrà male.
Louvai e bendizei a meu Senhor, e dai-lhe graças
Laudate et benedicete mi Signore et rengratiate
e servi-o com grande humildade...
e serviateli cum grande humilitate...

(São Francisco de Assis)

[Música / Vídeo] Catedral

O deserto que atravessei
Ninguém me viu passar
Estranha e só
Nem pude ver que o céu é maior
Tentei dizer
Mas vi você
Tão longe de chegar
Mais perto de algum lugar

É deserto onde eu te encontrei
Você me viu passar
Correndo só
Nem pude ver que o tempo é maior

Olhei pra mim
Me vi assim
Tão perto de chegar
Onde você não está

No silêncio uma catedral
Um templo em mim
Onde eu possa ser imortal
Mas vai existir
Eu sei, vai ter que existir
Vai resistir nosso lugar

Solidão, quem pode evitar?
Te encontro enfim
Meu coração é secular
Sonha e desagua dentro de mim
Amanhã, devagar
Me diz como voltar

(...)

Se eu disser que foi por amor
Não vou mentir pra mim
Se eu disser deixa pra depois
Não foi sempre assim
Tentei dizer
Mas vi você
Tão longe de chegar
Mais perto de algum lugar

(Zélia Duncan)

sábado, 7 de janeiro de 2012

[Poema] Eterna Mágoa

O homem por sobre quem caiu a praga
Da tristeza do Mundo; o homem que é triste
Para todos os séculos existe
E nunca mais o seu pesar se apaga!

Não crê em nada, pois, nada há que traga
Consolo à Mágoa, a que só ele assiste.
Quer resistir, e quanto mais resiste
Mais se lhe aumenta e se lhe afunda a chaga.

Sabe que sofre, mas o que não sabe
É que essa mágoa infinda assim não cabe
Na sua vida, é que essa mágoa infinda

Transpõe a vida do seu corpo inerme;
E quando esse homem se transforma em verme
É essa mágoa que o acompanha ainda!

(Augusto dos Anjos)

[Poema] Passado

O tempo passou
e a dor apagou o amor.
Saudade cessou.





(Luis Valério Prandel)

[Frase] Felicidade

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

[Poema] Anjo

Anjo calmo trazendo paz
Falindo o prazer da guerra
Angústia na terra jaz
Construíndo sobre as pedras
Daí o não-silêncio encerra
Da vida altas muralhas
Infestada por justa causa
A palavra no papel
Demonstrou tal violência
Da ida pura assistência
Céu abrindo como um véu
No alto luz alarmando
O clarão vem cintilando
Com doce fiel presença
Redimindo toda ausência
Um anjo que nunca tarda
Trazendo mensagem infalível
De uma matéria invisível
Sobrando sem aparência

No todo da parte
Na parte do todo
O céu é uma arte
A terra é um lodo

(Luis Valério Prandel)

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

[Poema] O Universo

O universo não é uma idéia minha.

A minha idéia do Universo é que é uma idéia minha.

A noite não anoitece pelos meus olhos,

A minha idéia da noite é que anoitece por meus olhos.

Fora de eu pensar e de haver quaisquer pensamentos

A noite anoitece concretamente

E o fulgor das estrelas existe como se tivesse peso.

(Fernando Pessoa)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...