sábado, 18 de junho de 2011

[Poema] Consequência

Mergulha no mar da ilusão
Em um clima de plena paixão
A Solidão está quase morta
Por sombras projetadas nas costas
Imaturidade consequente
Desejos que invadem a mente


O chão já não é mais tal lugar

É um doce e simples planar
Com asas e pernas restauradas
A serem justamente quebradas
Com mover duma total angústia
Bem carnal, tão profunda e rústica

A imperfeição latente
Lágrimas doces
Risos amargos
Aceleram na tangente

(Luis Valério Prandel)

sábado, 4 de junho de 2011

[...] Infinito raso


Posso passar por ali, e não ver o fundo da alma acoplada no braço de uma pedra...

O que importa se não há braços para abraçar a nuvem, se não há chão para acalentar a alma e não há céu para assistir o corpo?

O vazio não conquista uma estrutura recíproca, porque o infinito não tem vez diante de sentimentos acabados e de amores desrelacionados...

Alma que no fundo lembra a pedra e abraça o céu, não acalenta o corpo, pois o vazio não causa o infinito dos amores...


(Luis Valério Prandel)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...