segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

[...] Ano Novo - O poder da intenção


A cada final de ano, costuma-se elaborar mentalmente e até por escrito listas de promessas para o ano vindouro. Nessa ocasião, afirma-se a amigos e familiares que se vai começar uma dieta, adotar a prática de exercícios físicos, parar de fumar ou beber ou, ainda, dedicar-se a um projeto empresarial ou profissional. Enfim, muitas pessoas se comprometem a finalmente arregaçar as mangas e corrigir aspectos de sua vida que precisam ser mudados.

Seguros e bem intencionados, respeitáveis cidadãos estabelecem metas e até tentam de bom grado alcançá-las. No entanto, embora haja exceções, a maioria não revela força de vontade suficiente para levar a bom termo as promessas de Ano Novo e logo se vê novamente absorvida pelo velho e surrado cotidiano. Acomodam-se. Tais casos demonstram que a decisão de mudança se determinou apenas pelo fator circunstancial da passagem de ano.

Nessa situação, o abandono dos objetivos estabelecidos indica a ausência do substrato da intenção mais profunda. Refere-se aqui à intenção que tem origem numa conscientização mais ampla da necessidade de transformação, nascida de um processo de reflexão que pode até ser involuntário, mas é consistente. Essa intenção se assenta solidamente arraigada no inconsciente do indivíduo e passa a definir todas as suas atividades posteriores.

O fato é que quando, em virtude da reflexão, a conscientização amadurece, consubstancia-se na mente a intenção. Então, o inconsciente passa a trabalhar de sobreaviso quanto ao fim estipulado, de modo que, mesmo quando absorvido por outros interesses, o cérebro continua a registrar em função daquele objetivo. Dessa forma, mantém-se uma permanente corrente energética voltada para o alcance do desiderato em torno do qual gira a intenção.

É aí que se revela o poder da intenção, o estado mental orientado a concretizar, manter ou evitar certas condições. Nessa firme aplicação do espírito, a pessoa se propõe algo e sabe, ainda que instintivamente, que vai realizá-lo; não importa os empecilhos que se interponham ao longo do caminho – realizá-lo-á. Isso porque já não se trata de um mero desejo ou promessa, mas de uma estável resolução de se empenhar pelo resultado almejado.

Em verdade, todos utilizam o poder da intenção em muitas ocasiões, embora com frequência de maneira intuitiva. Nesses casos, entra-se em correspondência com a inteligência vital e se põe a operar um impulso da própria energia primordial, a mesma que criou as células e mantém o universo em perfeita ordem. É por isso que a superação de dependências físicas e psicológicas e a consecução de metas aparentemente inalcançáveis se viabilizam.

Portanto, a intenção – não uma disposição superficial – pode constituir um meio de conexão com a fonte da criação. Essa fonte, sem a qual o próprio cosmo desmoronaria, pode-se denominá-la como queira, Deus, espírito, inspiração, não importa, o que conta é que se tome a intenção como uma interface com o todo. Somente a partir dessa sintonia se podem converter promessas propaladas ao vento em determinações lastreadas em sólida intenção.

Advirta-se, contudo, que não se trata de esperar o auxílio de alguma força sobrenatural, mas de um tino sincero. Ou seja, é preciso ter um discernimento que dissipe a negatividade e acolha a isenção e a gratidão. Também se fazem essenciais a generosidade e a cooperação, enfim, dar o melhor de si a cada instante, entregar-se ao máximo a cada ser com quem interagir, desinteressadamente, para que possa emergir o estado natural do ente humano.

Atendidos a esses requisitos, o que significa instituir a ordem interior e exteriormente, o caminho estará preparado. Mas isso exige muita reflexão, investigação de si mesmo, descoberta e compreensão, pela qual se desanuvia a percepção, permitindo-se a conexão com a fonte e a liberação do poder da intenção. Assim, livre dos obstáculos da negatividade, a energia flui livremente e conduz à realização, não de sonhos, mas da vida em plenitude.

(Texto escrito por Tasso Assunção, escritor e consultor em produção textual; membro fundador da Academia Imperatrizense de Letras - AIL)

[Filosofia] O que é hermenêutica?

No campo da Filosofia, a hermenêutica ocupa-se de compreender a natureza humana e interpretar a produção escrita, seus sentidos profundos e teias de significados. 


É basicamente uma análise de linguagem e da comunicação, tanto que sua palavra, segundo alguns historiadores, vem da figura de Hermes, figura mitológica grega que, entre outros outros atributos, seria o mensageiro dos deuses. Outra corrente defende que a palavra "hermenêutica" deriva de um verbo grego cuja acepção é interpretar, declarar. 

O certo é que a hermenêutica penetrou em várias áreas do conhecimento, como a Literatura, o Direito e a Antropologia


(Fonte: Revista Filosofia - N° 29)

domingo, 29 de dezembro de 2013

[Química] O metal mais caro e precioso do mundo

O Califórnio ou Californium é um elemento químico metálico radioativo com o símbolo Cf e número atômico 98.


O Califórnio foi produzido pela primeira vez por Stanley G. Thompson, Glenn T. Seaborg, Kenneth Street, Jr. e Albert Ghiorso trabalhando na Universidade da Califórnia, em Berkeley, em 1950. 



Eles bombardearam átomos de cúrio-242 com íons de hélio utilizando um dispositivo conhecido como um ciclotron. Isto produziu átomos de califórnio-245, um isótopo com uma meia-vida de cerca de 45 minutos, e um nêutron livre:





Usos e Aplicações do Califórnio


Califórnio-252, um isótopo com uma meia-vida de cerca de 2,6 anos, é uma forte fonte de nêutrons. Um micrograma (0,000001 gramas) de Califórnio-252 produz 170 milhões nêutrons por minuto. Ele está sendo utilizado como uma fonte de nêutrons para identificar os minérios de ouro e de prata através de uma técnica conhecida como ativação nêutrons. Também está sendo usado em dispositivos conhecidos como medidores de umidade nêutrons que são utilizados para encontrar água e das camadas petrolíferas em poços de petróleo.

Compostos de Califórnio


Alguns compostos de califórnio foram produzidos e estudados. Eles incluem: Óxido de Califórnio (CfO3), Tricloreto de Califórnio (CfCl3) e o Oxicloreto de Califórnio (CfOCl).

Isótopo mais estável de Califórnio, o Califórnio-251, tem uma semi-vida de cerca de 898 anos. E decai em cúrio-247 através de desintegração alfa ou decaimento por fissão espontânea.

Preço do Califórnio


É o metal mais caro que pode ser comprado, custando aproximadamente 2 bilhões de reais o quilo.


Ocorrência



Quantidades muito diminutas de califórnio foram encontrados na Terra devido a reações de captura de nêutrons e decaimento beta em depósitos com altas concentrações de urânio. Traços de califórnio podem ser encontrados perto de instalações que usam o elemento em prospecção mineral e em tratamentos médicos. O elemento é bastante insolúvel em água, mas ele adere bem ao solo comum, e concentrações do mesmo no solo podem ser 500 vezes maior do que na água em torno das partículas do solo.

 Ensaios nucleares atmosféricos antes de 1980 contribuiu com uma pequena quantidade de califórnio no ambiente. Isótopos com números de massa 249, 252, 253 e 254 foram observados em amostras de pó radioativo recolhidas a partir do ar depois de uma explosão nuclear.

Produção de Califórnio


Califórnio é produzido em reatores nucleares e aceleradores de partículas.




Características Físicas



sábado, 28 de dezembro de 2013

[Curiosidade / Vídeo] Teoria da Terra oca

Segundo esta teoria, a Terra não seria uma esfera substancial, preenchida apenas com lavas vulcânicas, mas sim um corpo oco, com fendas localizadas nos pólos. 



Na sua parte interna habitaria supostamente uma raça muito elevada em termos de tecnologia, que eventualmente visitaria o exterior a bordo de OVNIs, sendo assim os responsáveis pela maior parte das naves avistadas pelos seres humanos nos últimos tempos. Há também quem diga que nós mesmos somos os moradores da Terra Oca  – pressuposto conhecido como Teoria da Terra Invertida.


A terra oca de Halley, 
publicada na “Philosophical 
Transactions” em 1692 (o artigo 
foi republicado em coletâneas
pela Royal Society em 1753 e 

1809 e estas estão disponíveis 
on-line).
Vários cientistas criaram teorias referentes a um provável mundo interior, habitado tanto quanto a superfície. Edmund Halley, astrônomo da corte real ao longo de dezoito anos, que teve seu nome doado ao cometa de 1682, o qual, como ele previu, retornou em dezembro de 1758, foi o primeiro a alegar a existência desse universo interno. Ele criou sua teoria das quatro esferas que compartilham o mesmo centro, deixando escapar para o exterior uma atmosfera de luz, a mesma que provocaria a aurora boreal, para tentar compreender as irregularidades constantes do campo magnético terreno, as quais imiscuíam-se no funcionamento das bússolas. Homem muito religioso, ele imaginou que, se havia uma morada subterrânea, ela deveria também ser povoada por seres criados por Deus.

No século XVIII, outros cientistas introduziram mudanças nesta teoria, mas nunca a rejeitaram. Leonard Euler concebia um sol no centro da Terra, doando luz e calor aos moradores desta esfera, enquanto Sir John Leslie tinha como verdadeira a existência de dois sóis, Plutão e Proserpina. Hoje, os estudiosos já descobriram o que causa realmente as perturbações na esfera eletromagnética da Terra, mas ainda assim Halley conquistou adeptos ao longo da história, e atualmente não se acredita menos nestas versões. Um destes discípulos, John Symmes, abraçou tão ardentemente esta causa, que a provável porta para o universo interno foi batizada com seu nome – Buraco de Symmes.


Vários escritores do gênero conhecido como ficção científica adotaram também este tema, tais como Júlio Verne, que o retratou em seu célebre livro Viagem ao Centro da Terra, e Egar Rice Burroughs, pai do famoso Tarzan.

Em princípios de 1970, novo alento atingiu esta tese, graças a um incidental testemunho fotográfico realizado pela Administração do Serviço de Ciência e Meio Ambiente (ESSA), órgão do Departamento de Comércio dos Estados Unidos, que revelou uma imagem do Pólo Norte sem as nuvens que geralmente o encobrem, expondo um buraco onde deveria estar localizado o Pólo. Esta polêmica foto causou sensação nos meios ufológicos. Ray Palmer, editor e ufólogo, utilizou esta representação produzida pelo satélite ESSA-7 e produziu um texto no qual defendia a veracidade desta fenda no extremo do Planeta.


Avião de Richard E. Byrd
Estas fotos reforçaram a crença de Palmer e outros pesquisadores na Terra Oca, supostamente habitada por uma civilização superior desconhecida. Agora eles acreditavam ter realmente encontrado a porta de entrada para este universo. Estas especulações provocaram o renascimento de antigo debate sobre as viagens do famoso vice-almirante Richard E. Byrd aos pólos Norte e Sul. Segundo o pesquisador Amadeo Giannini, este aventureiro não teria sobrevoado os Pólos, em 1926 e em 1929, e sim viajado pelo interior destes imensos buracos que conduziriam ao centro da Terra. Palmer, fundamentando-se nestas pesquisas, afirma que Byrd teria transmitido pelo rádio do avião em que se encontrava, a mensagem de que estava vislumbrando não a neve usual, mas sim trechos de terra com montanhas, bosques, vegetais, lagos e rios, entre outros elementos. Pouco antes de morrer, ele teria dito que o planeta, na região do Pólo, era um universo encantado e celestial, repleto de mistérios. De acordo com algumas teses, ele estaria se referindo à mitológica Cidade do Arco-Íris, centro de uma fantástica civilização.


[Clique aqui para acessar o texto do diário secreto de Richard Byrd]





Estes debates em torno das impressões de Byrd garantem a munição necessária à sobrevivência das teorias de Giannini e Palmer, que acreditam haver nos Pólos uma redução de nível, a qual constitui uma imensa fenda que atravessa o eixo da Terra, de um pólo a outro. De uma forma ou de outra, este enigma tem fascinado a mente do Homem desde tempos imemoriais, dos criadores do herói babilônico Gilgamesh, passando pelo mito de Orfeu, na mitologia grega, pelos faraós egípcios, até a crença budista no reino de Agharta, civilização remanescente da antiga Atlântida, submersa no Oceano após uma suposta erupção vulcânica. Mitos, teorias e clássicos da literatura mantêm vivo até hoje o interesse por este tema sedutor.


(Ana Lucia Santana - InfoEscola)


Documentário do History Channel sobre a teoria da Terra oca:



sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

[Ciência] O cheiro do universo

O odor do Cosmos é parecido com o de uma corrida de carros: lembra uma mistura dos cheiros de metal quente, óleo diesel queimado e fumaça de churrasqueira. Esse aroma é causado por compostos químicos conhecidos como hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, liberados pelas violentas combustões que ocorrem quando uma estrela morre.

Esses hidrocarbonetos estão espalhados por todo o Universo - em partículas sólidas, condensadas em grãos de poeira ou em grãos de gelo. Mas como um astronauta conseguiu "cheirar" o Universo, se não pode tirar o capacete? Na verdade, a conclusão veio da análise de partículas que grudaram na roupa quando os astronautas retornavam à nave ou à estação espacial após um "passeio" do lado de fora. Em um ambiente com oxigênio, é possível sentir essa molécula interestelar.

Assim, de uma maneira geral, o nosso sistema solar é particularmente "picante", porque é rico em carbono e pobre em oxigênio. Estrelas ricas em oxigênio, no entanto, têm aromas que lembram uma churrasqueira. Depois de deixar a nossa galáxia, o cheiro pode ficar muito interessante. Nuvens moleculares repletas de minúsculas partículas de poeira sediam uma verdadeira miscelânea de odores, desde aromas doces até cheiro de ovo podre, vindo do enxofre.


terça-feira, 24 de dezembro de 2013

[Astronomia] Gráfico da NASA mostra mais de 1000 prováveis planetas habitáveis

Um novo objetivo da missão Kepler da Nasa foi detectar e observar 1.235 planetas com altas probabilidades de conter vida alienígena.

A imagem abaixo, conhecida como "gráfico", mostra todos os planetas detectados por Kepler, os quais estão sendo acompanhados no momento em que eles transitam em frente a estrela as quais orbitam. Com isso é possível obter informações como magnitude do planeta por meio da diminuição do brilho da sua "estrela-mãe":


Esta ilustração mostra todos os 1.235 planetas detectados pela missão Kepler da NASA, os quais são os maiores canditados a serem habitáveis. Crédito: Jason Rowe e equipe Kepler [ver gráfico ampliado].

O gráfico é uma criação do cientista Jason Rowe, o qual transmite descobertas de exoplanetas detectados por Kepler, indicando suas massas de forma clara e concisa. Astrônomos usam outros telescópios para acompanhar os resultados de Kepler, a fim de confirmar ou não se as estrelas de fato hospedam exoplanetas.


Até hoje, a missão Kepler descobriu 1.235 possíveis planetas, 54 desses situados na chamada “zona habitável”, uma distância em relação a estrela, qual propicie ao planeta condições de conter água na forma líquida.



(Fonte: LiveScience).

sábado, 21 de dezembro de 2013

[Informática] Os 10 sites mais antigos da Internet

Interface do site
symbolics.com em 1985.

Essa é a lista dos 10 primeiros sites da Internet e suas respectivas datas que entraram em funcionamento:



. symbolics.com(15/03/85):


. bbn.com (24/04/85):


. berkeley.edu (24/04/85):



. purdue.edu (24/04/85):



. ucla.edu (24/04/85):



. mit.edu (23/05/85):



. think.com (24/05/85):



. harvard.edu (27/06/85):



. columbia.edu (05/07/85):



10º. mitre.org (10/07/85):



Confira a lista completa no site TG Daily.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

[Saúde] O que acontece quando você fuma cigarro?

Fumar faz muito mal. Você conhece as fotos, mas agora vai saber o que acontece dentro do corpo do fumante. O resultado é muito mais feio do que você imagina.


CÂNCER DE PULMÃO
Os sintomas da doença são tosse, catarro, falta de ar e muita dor se o tumor estiver próximo à parede torácica. 20% dos casos são muito agressivos, e tratados com quimioterapia ou radioterapia. Já os outros 80% podem ser operados.



CÂNCER DE LARINGE
O tratamento mais comum para esse câncer é a laringectomia, que obriga o paciente a respirar por uma cânula, como o homem da foto. Os principais sintomas são rouquidão, sangramento e perda da voz.

1. CORPO ESTRANHO
As substâncias cancerígenas do cigarro, como nitrosaminas e benzopireno, entram na corrente sanguínea e alcançam todas as células do nosso corpo.

2. MUITA MUTAÇÃO
O contato das substâncias com os ácidos do DNA pode causar mutações em genes relacionados a proliferação, diferenciação e mortalidade da célula.

3. TUMORES
Se o fumante tiver predisposição a produzir a enzima do citocromo P-450, essas células diferenciadas dão origem a células-filhas mutadas, que formam os tumores.


DOENÇAS RESPIRATÓRIAS
Faz menos mal fumar do que ficar inalando a fumaça que sai do cigarro. Esse ar tem 3 vezes mais nicotina, de 3 a 8 vezes mais monóxido de carbono e 47 vezes mais amônia do que o que entra no corpo do fumante passando pelo filtro.

PNEUMONIA
Para se defender do cigarro, o pulmão produz muito muco, o que exige toda sua capacidade imunológica. As secreções, então, viram um prato cheio para bactérias, como a Streptococcus pneumoniae, principal causadora da pneumonia.

SINUSITE
As glicoproteínas presentes no cigarro inflamam as mucosas da face. São as alterações na produção de muco que levam a infecções e provocam a dor típica da doença.

ASMA
A acetona do cigarro inflama os brônquios. Para evitar que mais substâncias tóxicas invadam o corpo, o pulmão aciona um mecanismo de defesa e diminui o fluxo de ar. Daí surge a crise asmática e a sensação de sufocamento.



NECROSE
A falta de oxigênio leva à necrose. O aspecto mumificado da perna ao lado é a solução encontrada pelo organismo para os tecidos necrosados não infeccionarem.

GANGRENA
Quando os problemas de oxigenização acontecem em lugares periféricos do corpo, como pés e mãos, às vezes a amputação é a única solução possível.

CARBONO DEMAIS
O monóxido de carbono liberado pela fumaça tem afinidade química 250 vezes maior para se ligar à hemoglobina do que o oxigênio. Com isso, todos os órgãos têm sua oxigenação prejudicada.


APERTADINHO
A nicotina inflama o endotélio, a parede interna dos vasos, e estimula a produção de catecolaminas – substâncias liberadas no sistema nervoso simpático que estreitam as veias e artérias. Ou seja, a passagem do sangue fica bem complicada.

PLAQUETADA
O cigarro desregula as plaquetas, o que ao mesmo tempo leva à formação de trombos e facilita a formação de coágulos. Ambos podem levar ao entupimento dos vasos e impedem o fornecimento de oxigênio.


ABORTO ESPONTÂNEO
O tabaco é responsável por 70% dos casos de aborto espontâneo. O embrião sem oxigênio sofre de má nutrição e vai enfraquecendo, até morrer de uma espécie de falência geral.

BEBÊ PREMATURO
Se a gravidez for levada até o fim, o bebê pode nascer com baixo peso ou com imaturidade pulmonar, o chamado “bebê chiador”, com problemas respiratórios como a bronquite.

FOME
Quando falta oxigênio no sangue da mãe, o feto é quem mais sofre. Além de levar à má nutrição, o carbono no sangue pode provocar o descolamento da placenta.


IMPOTÊNCIA
Para que a ereção ocorra, é necessário um intenso fluxo sanguíneo na região peniana – o que a nicotina não permite. A boa notícia é que isso só acontece a longo prazo, e depende da vulnerabilidade de cada um.


MUITO VISCOSO
O corpo percebe a baixa concentração de oxigênio e começa a produzir mais hemácias. Isso deixa o sangue mais viscoso e dificulta a circulação dentro do pênis.

SEM SANGUE
Normalmente, os vasos se dilatam e enchem os corpos cavernosos do pênis de sangue. Com as veias obstruídas por causa do cigarro, não há o que o levante.

(Fontes: Ana Cecilia Marques, do Departamento de Dependência da Associação Brasileira de Psiquiatria; Ana Terezinha Guillaumon, professora de medicina da Unicamp; Jaqueline Scholz, diretora do Núcleo Antitabagismo do Hospital das Clínicas de São Paulo; Maria Aparecida Koike Folgueira, da Área de Oncologia da Faculdade de Medicina da USP; Ricardo Meirelles, pneumologista do Instituto Nacional do Câncer)

domingo, 15 de dezembro de 2013

[Biologia] O animal mais velho do mundo que se tem conhecimento

O animal mais velho do mundo que se tem conhecimento morreu em nome (e pelas mãos) da ciência aos 507 anos. O adeus de Ming, como ficou conhecido esse molusco bivalve islandês, aconteceu em 2006, quando os pesquisadores não sabiam exatamente que tinham em mãos um espécime tão antigo. Ele foi pescado ainda vivo durante uma expedição na Islândia e colocado em um freezer.

Somente mais tarde é que sua idade foi determinada. A idade deste molusco - Arctica islandica - é obtida de forma manual: é preciso contar todos os anéis visíveis no exterior e no interior de sua concha. Uma primeira contagem deu a Ming a idade de 405 anos, que colocou o animal no Guinness, o livro dos recordes. Contudo, como o molusco era muito velho, alguns anéis estavam comprimidos, o que contribuiu para o erro. Tempos depois, os pesquisadores resolveram contar novamente os anéis de Ming. Para ter certeza dos 507 anos foi realizado um teste com carbono-14, e a margem de erro é de um ou dois anos para mais ou para menos. 

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

[Astronomia] Imagens nunca vistas da superfície solar

A missão Iris, da agência espacial americana Nasa, capturou imagens da superfície "borbulhante" do Sol, onde as temperaturas podem chegar a dois bilhões de graus Celsius.


Visão esquemática do satélite IRIS.
O satélite da Iris detectou explosões de plasma que viajam a centenas de quilômetros por hora.

As descobertas foram apresentadas em um encontro da Sociedade Americana de Geofísica, na cidade de São Francisco.

Outras imagens detectadas pelo satélite:







quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

[História] As 5 mortes mais bizarras de pessoas que ficaram marcadas na história por seus feitos

1. Morreu por rechear um frango


Francis Bacon foi uma das pessoas mais influentes do século XVI. Político, filósofo, escritor e cientista, inclusive houve rumores que havia escrito algumas das obras de Shakespeare. Porém todo esse brilhantismo não o salvou de uma morte um tanto quanto idiota. O sujeito morreu recheando uma galinha com neve. Em uma tarde de 1625, Bacon estava olhando uma tormenta de neve e pensou que a neve poderia conservar a carne da mesma forma que o sal. Decidido a provar, comprou uma galinha em uma vila próxima, a matou e foi para fora de casa para ver como a galinha coberta de neve se congelava. A galinha nunca se congelou, mas Francis Bacon sim. A façanha resultou em uma pneumonia que o levaria a morte.


2. Morreu por tentar abraçar a lua 


O poeta chinês Li Po é considerado um dos dois maiores da história literária chinesa. Era muito conhecido por ser um bebedor inveterado e sabe-se que escreveu muitos de seus grandes poemas enquanto estava bêbado. E “bebaço” estava à noite em que caiu de seu barco se afogou no rio Yangt-ze ao tentar abraçar o reflexo da lua na água.

3. Morreu por segurar o xixi


O nobre e astrônomo dinamarquês Tycho Brahe era um personagem interessante. Tinha um alce treinado como animal de estimação e também perdeu a ponta de seu nariz num duelo com outro nobre dinamarquês e teve que usar um nariz falso feito de prata e ouro, mas essa é outra história. Diz-se que Tycho teve que segurar a vontade de ir ao banheiro durante um banquete particularmente extenso em 1601 (levantar-se no meio de um jantar era considerado como algo realmente ofensivo), a tal ponto que sua bexiga, levada ao limite, desenvolveu uma infecção pela qual morreu. Análises posteriores sugeriram que Tycho morreu em realidade por envenenamento com mercúrio, mas essa conclusão não é tão interessante como a história original.

4. Morreu de tanto comer


O rei Adolfo Federico da Suécia amava comer e morreu por isso. Conhecido como “O rei que comeu até morrer”, faleceu em 1771 com 61 anos por causa de um problema digestivo depois de comer, literalmente, “mais que a barriga”. O jantar do comilão era composto de lagosta, caviar, chucrute, sopa de repolho, cervo defumado, champanhe e catorze pudins de leite recheados com amendôas, seu doce preferido.

5. Morreu atingido por uma tartaruga


Ésquilo foi um escritor grego de 500 a.C. Muitos historiadores o consideram o pai das tragédias gregas.
Um belo dia, Ésquilo estava passeando quando uma águia deixou cair uma tartaruga em sua cabeça e matou o cara. Segundo a lenda, as águias capturavam as tartarugas e as abriam jogando-as contra as rochas. Uma águia confundiu a cabeça de Ésquilo com uma pedra (era careca) e lhe lançou uma tartaruga.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...